Home / BRASIL / Brasil: crianças que só têm alimentação na escola passam fome nas férias

Brasil: crianças que só têm alimentação na escola passam fome nas férias

No Brasil, 2,5% da população passou fome em 2017. Isso corresponde a 5,2 milhões de pessoas. O dado é do relatório ‘O Estado da Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo 2018?, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

Além disso, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), um em cada quatro brasileiros vivia em situação de pobreza em 2017, o equivalente a 54,8 milhões de pessoas.

E o relatório Cenário da Infância e Adolescência no Brasil (2019), da Fundação Abrinq, aponta que 47,8% das crianças brasileiras vivem na pobreza.

Muitas dessas crianças em situação de pobreza dependem das escolas que frequentam para se alimentarem. E o período de férias, que parece tão bom para outras crianças, pode ser aterrorizante para elas.

No Paranoá Parque, conjunto habitacional do Minha Casa Minha Vida que fica a 25 minutos de distância do Palácio do Planalto, em Brasília, as crianças passam os dias livres empinando pipa, de estômago vazio. “No final da tarde, elas me pedem, ‘tia, tem um pãozinho aí para mim?’ Se chega pão de doação, acaba tudo em um minuto”, contou Maria Aparecida de Souza, líder comunitária no bairro, em entrevista para a BBC News Brasil.

Em 2017, um menino, na época com oito anos, desmaiou de fome durante as aulas e virou notícia nacional. Ele estudava em um colégio a 30 km de distância de sua casa, onde recebia como refeição apenas bolacha e suco. De lá para cá, a situação dos quase 30 mil moradores da área não parece ter melhorado.

A fome parece atingir todos os cantos do Brasil. Até mesmo sua cidade mais rica: São Paulo. Um professor da rede pública paulistana contou à BBC o caso de uma aluna do período noturno que, sem comida em casa, levava o filho menor para também se servir da merenda.

Outra entrevistada pela reportagem da BBC falou sobre a dificuldade de alimentar os filhos nas férias. “Me corta o coração eles quererem um pão e eu não ter. Já coloquei os meninos na escola pra isso mesmo, por causa da merenda. Um pouquinho de arroz sempre alguém me dá, mas nas férias complica”, afirma Alessandra, que, desempregada, coleta latinhas na comunidade de Paraisópolis, em São Paulo, onde mora.

Diferentes pesquisas acadêmicas indicam que o acúmulo de deficiências nutricionais, seja causado pela fome, seja pelo consumo de alimentos de baixa qualidade, pode causar impacto na habilidade de aprendizado infantil.

About admin

Check Also

Lançado edital para autores do Pajeú

Foi lançado o 1º Edital de Publicação do Conselho Editorial do Pajeú. Em parceria com ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *